Declaração

Mandetta critica Bolsonaro e admite possibilidade de concorrer a Presidente em 2022

O ex-ministro da Saúde afirmou que apenas concorreria se seu nome fosse optado por alguém fora dos "dois populismos".

O ex-ministro da Saúde Henrique Mandetta admitiu a possibilidade de se candidatar ao cargo de Presidente da República  nas eleições de 2022. Segundo ele, só aconteceria se seu nome fosse apontado por alguém que seria uma alternativa ao atual Presidente Jair Bolsonaro e do ex-presidente Lula.

“Se tiver um conjunto de pessoas que pensem assim e apontar o meu nome, vamos. Se for o nome de alguém que represente esse sentimento, essa necessidade de o Brasil sair desses dois populismos. Essa roupa não cabe mais na gente”, declarou.

Mandetta ainda criticou a forma como Bolsonaro está conduzindo a crise causada pela pandemia do novo coronavírus, afirmando que o chefe do Executivo boicota qualquer tipo de prevenção a doença ao atrasar a compra das vacinas.

“O Brasil não comprou as vacinas na hora em que foi oferecido, boicotou toda a prevenção. Estimularam aglomeração. O presidente foi várias vezes incitar as pessoas a não usarem máscara, as pessoas foram acreditando”, disse.

Embora todas as críticas, Mandetta não acha que Bolsonaro deva sofrer um processo de impeachment.

“Para quem precisa enfrentar uma pandemia, eu não sei se seria (uma solução). Talvez a gente vai ter uma trégua e deixar essa decisão para a população em 2022”.

Da redação do Portal com informações do Portal T5

Leia mais:
>>> Ex-ministro Mandetta é flagrado na praia sem máscara

Eleições 2022

Lula e Bolsonaro aparecem tecnicamente empatados segundo aponta pesquisa PoderData realizada na semana passada em todo o país com 3.500 pessoas.

Entrevistados responderam, se a eleição presidencial fosse hoje, Jair Bolsonaro (sem partido) iria para o 2º turno junto Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O atual presidente tem 30% e o petista pontua 34%. Como a margem de erro do levantamento é de 1,8 ponto percentual, para mais ou para menos, há um empate técnico no limite desses percentuais.

A polarização é grande. Depois de Bolsonaro e Lula, todos os demais candidatos testados ficam com menos de 10%. O ex-juiz federal da Lava Jato Sergio Moro (sem partido) tem 6%. Ciro Gomes (PDT), 5%. O empresário e apresentador da TV Globo Luciano Huck (sem partido) fica com 4%. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) pontua 3%. João Amôedo (Novo) tem 3% e Luiz Henrique Mandetta (DEM), 2%.

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal