Opinião

Doria culpa Bolsonaro por mortes: “A culpa é sua, por ser, além de incompetente, negacionista”

As críticas aconteceram durante o anúncio que todo o estado vai regredir para a fase vermelha do Plano São Paulo a partir deste sábado (6).

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), fez duras críticas ao presidente Jair Bolsonaro durante entrevista no Palácio dos Bandeirantes, na tarde desta quarta-feira (3).

As críticas aconteceram durante o anúncio que todo o estado vai regredir para a fase vermelha do Plano São Paulo a partir deste sábado (6).

“A culpa é sua, por ser, além de incompetente, negacionista. O senhor é um pária no Brasil e um pária no mundo”, disse o governador, em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.

No início da entrevista coletiva, o tucano voltou a chamar Bolsonaro de “negacionista” e disse ainda que o momento da pandemia do novo coronavírus no Brasil é o mais grave.

“Há 41 dias, o Brasil tem mais de 1.000 mortes por dia. É como se 5 aviões caíssem todo dia matando todos seus ocupantes. Isso não é normal. Isso não é banal. Não é ‘gripezinha’. É uma tragédia que pode ser ainda pior se não tomarmos medidas. Não podemos banalizar a morte”, afirmou Doria.

Ver mais:

>> Bolsonaro quer o povo armado e chama Doria de “calcinha apertada” por decretar fase vermelha em SP e viajar para os EUA

>> Pesquisa mostra que 27% atribuem vacinas contra covid-19 a Doria, e 22%, a Bolsonaro

>> ‘Bolsonaro dorme e acorda pensando em mim’, ironiza João Doria

Doria lamentou os óbitos no Brasil e cobrou a defesa da vida e da ciência por parte do presidente do Brasil.

“Muitos dos brasileiros que estão enterrados neste momento estão enterrados porque o senhor não teve capacidade de fazer aquilo que deveria fazer: liderar o Brasil contra a pandemia, defender a vida e a saúde dos brasileiros”, criticou Doria referindo-se ainda a Bolsonaro como o “mito da mentira, das inverdades, da incompetência, da displicência”.

O governador paulista também fez referência à compra de uma mansão em Brasília pelo filho mais velho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

“Não disputo eleições para extrair vantagens pessoais, comprar imóveis, fazer ‘rachadinhas’ ou para proteger filhos. Fui eleito na decência e no respeito à democracia para proteger o que há de sagrado na Constituição e na vida. Enquanto for governador, vou me posicionar dessa maneira”, afirmou.

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal