Possibilidade

Paulo Câmara poderá ser o vice de Luciano Huck pelo PSB em 2022

O socialista deverá se afastar do Governo em abril de 2022 para concorrer a uma vaga no Senado, na Câmara dos Deputados ou como vice na chapa presidencial do partido.

Há uma previsão para que o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, se desincompatibilize do cargo em abril do ano que vem, prazo máximo estipulado pela legislação eleitoral.

O que ainda não está definido é se ele deixará o Governo do Estado para disputar uma cadeira na Câmara dos Deputados, no Senado Federal, ou será indicado para compor a vaga de vice em uma chapa presidencial do partido que poderá ser encabeçada pelo apresentador Luciano Huck.

“Isso está em discussão, não tem nada fechado. Há algumas semanas também foi falado que ele poderia ser candidato a vice-presidente da República. Até abril, há um longo processo e as avaliações estão sendo feitas”, declarou um socialista, em reserva.

Com o nome do ex-prefeito do Recife Geraldo Júlio, cotado para ser o candidato ao governo em 2022, no tocante ao Senado, o partido tem ponderado lançar Paulo para o cargo de Senador.

Isso porque o PSB lidera uma frente ampla com mais de dez partidos, e com apenas uma vaga na chapa majoritária, seria mais viável contemplar um aliado nessa formação, o que tornaria a postulação de deputado federal, uma via mais segura.

Ver mais:

>> Em Itaquitinga, Paulo Câmara visita Unidade 2 do Centro Integrado de Ressocialização

>> PSB pode apostar em Luciano Huck para presidente em 2022; João Campos faz a ponte

Sobre a possibilidade de ser indicado para vice, a leitura que se faz dentro do PSB, é de que a nível Nordeste, a única liderança forte e representativa que o partido possui hoje, seria o governador Paulo Câmara. A escolha pelo chefe do Executivo traria “equilíbrio” em uma chapa, possivelmente encabeçada por um candidato do Sul/Sudeste.

“Seria um equilíbrio natural, ter a presença de um representante do Nordeste na chapa. Dependerá muito da composição que será feita daqui pra lá, nada tem sido descartado, inclusive a possibilidade dele permanecer no cargo até o final do mandato”, afirmou outro socialista, também em reserva.

A discussão também passará pelo aliado de primeira hora, o PCdoB. Com a saída de Paulo Câmara, quem assumiria o Executivo seria a vice-governadora Luciana Santos. Nos bastidores, comenta-se que dificilmente ela não disputaria uma vaga na Câmara dos Deputados.

Como presidente nacional do PCdoB, e chefiando o Governo do Estado, ela poderia trabalhar com mais empenho pelo fortalecimento dos candidatos estaduais e federais. Inclusive, a atual vaga do partido na Casa, é ocupada pelo deputado federal Renildo Calheiros.

“O PCdoB é um partido que não faz nada sozinho, somos aliancistas. Sempre dialogando com as frentes políticas, com a sociedade e com as muitas correntes de opinião. Essas posições estratégicas nos colocam na mesa da discussão do debate, não vamos tomar iniciativas sozinho. Vamos sentar à mesa e discutir sobre como dar continuidade ao ciclo progressista que se instalou em Pernambuco, desde 2000, com a eleição de Luciana para a Prefeitura de Olinda e João Paulo para a Prefeitura do Recife. E depois em 2006 com o ex-governador Eduardo Campos, até hoje”, declarou o presidente estadual comunista, Marcelino Granja.

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal