Opinião

Pesquisa aponta que 79% dos brasileiros são contra a legalização do aborto no país

Levantamento foi realizado pelo Paraná Pesquisas entre os dias 12 e 16 de janeiro de 2021. Ao todo, foram entrevistadas mais de 2 mil pessoas em todos os estados da Federação mais o Distrito Federal.

O Instituto Paraná Pesquisas realizou um levantamento que apontou que 79% dos brasileiros são contra a legalização do aborto no Brasil. O resultado da pesquisa foi divulgado na última segunda-feira, 25 de janeiro, com dados coletados entre os dias 12 e 16 de janeiro. Ao todo, foram entrevistados mais 2 mil cidadãos  com mais de 16 anos em todos os estados brasileiros mais o Distrito Federal.

Os números também revelaram que 16,6% dos entrevistados se declararam a favor e 4,4% não souberam responder a pesquisa. O levantamento também mostrou que a taxa de rejeição foi maior entre os homens, totalizando 82,6%. Já as mulheres, de acordo com o resultado das pesquisas, mostrou que 75,8% das brasileiras são contra a interrupção da gravidez.

O apoio ao aborto legal é maior entre os jovens. De acordo com a pesquisa, 21,7% dos jovens entre os 16 aos 24 anos. Já a posição a favor do aborto entre as pessoas com idades a partir de 60 anos caiu para 12,3%.

Leia também:
>>>Chile deve debater legalização do aborto como na Argentina

Aprovação do aborto na Argentina

Senado da Argentina aprovou o projeto de lei de autoria do governo do presidente Alberto Fernández para legalizar o aborto no país. Foram 38 votos a favor da legalização, 29 contra e uma abstenção.

O texto aprovado hoje estabelece que as mulheres têm direito a interromper voluntariamente a gravidez até a 14ª semana de gestação. Após este período, o aborto será permitido apenas em casos de risco de vida para a gestante ou quando a concepção é fruto de um estupro.

“É aprovado, vira lei e vai para o Executivo”, declarou a vice-presidente Cristina Kirchner, que preside o Senado.

Pelo Twitter, Fernández comemorou a aprovação do projeto:

“O aborto seguro, legal e gratuito é lei. Hoje somos uma sociedade melhor, que amplia os direitos das mulheres e garante a saúde pública”, escreveu o presidente argentino na rede social.

 

O projeto havia sido aprovado pela Câmara em 11 de dezembro, quando recebeu 131 votos favoráveis e 117 contrários dos deputados. Seis parlamentares se abstiveram.

É a segunda vez em menos de três anos que o tema volta à pauta. O projeto, de autoria do governo Fernández, chegou ao Congresso semanas atrás, seguindo uma promessa do então candidato da oposição a Mauricio Macri.

Em 2018, ainda no governo Macri, uma proposta de legalizar o aborto na Argentina passou na Câmara, mas acabou rejeitada no Senado.

Deixe seu comentário

[gs-fb-comments]
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal