Posicionamento

Apoiadores de Bolsonaro fazem mobilização no Twitter pedindo o Estado de Defesa

Campanha aconteceu depois que o procurador-geral da República, Augusto Aras, divulgou nota falando sobre o assunto.

Depois que o procurador-geral da República, Augusto Aras, divulgou uma nota em que afirma que “o estado de calamidade pública é a antessala do estado de defesa”, apoiadores do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, começaram a publicar no Twitter seguindo a dica de Aras, e pedindo a decretação do Estado de Defesa no Brasil.

“Qualquer alusão, no atual estágio da democracia brasileira, a estados de exceção, inclusive aqueles previstos na própria Constituição, como os estados de sítio e de defesa, se mostra absolutamente desarrazoada e contrária à missão constitucional que foi incumbida precipuamente à instituição e a todos os seus membros”, diz trecho da nota da ANPR.

De acordo com o site Congresso em Foco, o Estado de Defesa, uma antessala do estado de sítio, para seguir na lógica de Aras, é invocado quando há grave e iminente instabilidade institucional e calamidades de grandes proporções na natureza.

Leia também:
>>>Deputado Luis Miranda afirma que pressão por impeachment é para “desgastar” o presidente Bolsonaro

Após a declaração de Aras uma tag subiu no Twitter entre os apoiadores do chefe da nação brasileira chamada de #EstadodeDefesaJá. Segundo os números, apenas na manhça da quinta (20), registrava aproximadamente 25 mil postagens.

Com informações do Site Congresso em Foco

Visita

O presidente Jair Bolsonaro viajou, na quinta-feira (21), para Coribe, município na Bahia, onde participou da cerimônia de entrega de parte do lote 4 de obras de adequação da rodovia BR-135. Após a cerimônia, o presidente andou a cavalo e foi exaltado pelo povo.

Durante a cerimônia, o presidente fez um discurso e elogiou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas.

“No momento também, eu não podia deixar de falar. Tem alguns ministros comigo, mas hoje, a figura mais importante é do Tarcísio (…) Tarcísio de Freitas, que fez o IME [Instituto Militar de Engenharia], depois fez concurso para a Câmara, ficou três anos lá, e depois quis o destino que ele aceitasse trabalhar conosco. Dizer a vocês, do patriotismo desse capitão. Da competência desse engenheiro. E da maneira como ele encara os desafios. Nós, e eu em particular, agradeço e muito por ele existir e por estar ao nosso lado em qualquer lugar do Brasil”, apontou.

 

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal