Bolsonaro sobre impeachment: “Se Deus quiser, vou continuar meu mandato”

Até agora, há 61 pedidos de impeachment contra Bolsonaro protocolados na Câmara.

O presidente Jair Bolsonaro disse na quarta-feira (20), que “se Deus quiser” vai permanecer no cargo até 2022. A declaração acontece após a crescente pressão nas redes sociais e no meio político para que o Congresso abra um processo de impeachment contra ele.

Até agora, há 61 pedidos de impeachment contra Bolsonaro protocolados na Câmara.

“Se Deus quiser vou continuar meu mandato e, em 2022, o pessoal (que) escolha. Tem muita gente boa para escolher”, afirmou o presidente, em conversa com apoiadores, no Palácio da Alvorada. “Espero que os bons se candidatem também, para não deixar os mesmos de candidatos.”

A afirmação foi feita após perguntas de eleitores sobre a trágica situação de Manaus, onde pacientes com covid-19 morreram por falta de oxigênio nos hospitais.

“Agora o problema lá é mais grave que no resto do Brasil. Geralmente, a rede pública lá, de hospital, sempre esteve cheia, 90%, 95%, e as cirurgias estão sendo adiadas”, disse Bolsonaro.

Ver mais: 

>> PT, PSB, PCdoB, PDT e Rede apresentam novo pedido de impeachment contra Bolsonaro

>> “Impeachment sem crime de responsabilidade é tumulto na democracia”, avalia deputado

>> Janaína diz que não vê razões para impeachment de Bolsonaro e pede para o presidente ser menos infantil

“Então, a pessoa que podia ter um tratamento preventivo lá atrás não vai (ao hospital) porque não tem atendimento e, quando agrava a doença, ela vai e junta com a pessoa que está com covid. Daí vem o caos.”

Apesar de afirmar que a situação de Manaus é mais grave, Bolsonaro observou depois que “o caos não é só lá”.

Na semana passada, partidos de oposição anunciaram que vão protocolar, nos próximos dias, um novo pedido de impeachment contra Bolsonaro, sob o argumento de que ele cometeu “crimes de responsabilidade em série” na condução da pandemia do coronavírus.

Os eleitores de Bolsonaro concordaram, mas relataram casos sobre a triste situação de Manaus.

“Olha, tem o governo federal, os estaduais e municipais. É compartilhado. Nós aqui fazemos tudo o que é possível. Quando é solicitado, nós atendemos”, disse.

Logo depois, afirmou haver “uma diferença enorme entre o que acontecia no passado e o que acontece hoje em dia”, citando, mais uma vez, o PT, partido com o qual rivaliza na cena política.

Deixe seu comentário

[gs-fb-comments]
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal