Resposta

Pernambuco rebate Ministério e diz que dispõe de quase quatro milhões de seringas

O Ministério da Saúde havia informado na quarta-feira, 13 de janeiro, ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o estoque de seringas era crítico em sete estados.

Pernambuco se manifestou por meio da Secretaria de Saúde sobre o Ministério da Saúde ter informado na quarta-feira, 13 de janeiro, ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o estoque de seringas era crítico. 

Em nota, a Secretaria de Saúde de Pernambuco informou que dispõe de quase quatro milhões de unidades em estoque, e vai receber mais 2,8 milhões de seringas até o fim de janeiro. Outros 7,5 milhões já foram adquiridos, e devem chegar ao estado até o fim do mês de fevereiro, totalizando mais de 14 milhões de unidades. Relatou ainda que o estado se antecipou à compra de seringas. 

Leia também:
>>> Governo de Pernambuco inicia distribuição de mais de 1,5 milhão de seringas aos municípios
>>> Paulo Câmara compra R$ 15 milhões em seringas e agulhas para vacina contra Covid-19

Outros estados emitiram nota de resposta

Pelo menos seis dos sete estados apontados como críticos em relação ao estoque de seringas disseram na quinta-feira, 14 de janeiro, que possuem quantidades suficientes para dar início à campanha de vacinação contra a covid-19.Pernambuco, Pernambuco rebate Ministério e diz que dispõe de quase quatro milhões de seringasPernambuco, Pernambuco rebate Ministério e diz que dispõe de quase quatro milhões de seringas

O Ministério da Saúde havia informado ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o estoque de seringas era crítico em sete estados: Acre, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco e Santa Catarina. As informações haviam sido solicitadas pelo ministro do STF, Ricardo Lewandowski.

No entanto, a maioria desses estados se manifestou informando que possui quantidades suficientes para iniciar a campanha de vacinação.

O primeiro a se manifestar foi o governo da Bahia, que disse possuir mais de 10 milhões de seringas em estoque. As 232 mil seringas informadas pelo Ministério da Saúde se referiam apenas àquelas destinadas à vacinação de BCG, que é dada aos recém-nascidos para prevenir a tuberculose. A nota publicada pelo Executivo baiano diz, ainda, que outras 20 milhões de seringas foram adquiridas, e devem chegar ao longo dos próximos meses.

O governo da Paraíba disse que deve receber mais 2 milhões de seringas ao longo do período da campanha de imunização. Atualmente, o estado dispõe de apenas 286 mil unidades.

Já o governo do Mato Grosso do Sul disse que possui, atualmente, cerca de 2,5 milhões de seringas em estoque no estado — o que, segundo a nota publicada no site do governo, seria suficiente para dar início à campanha.

Em Santa Catarina, o governo disse que o estado possui, atualmente, cerca de 9,5 milhões de unidades, com previsão de chegada de mais meio milhão de seringas nos próximos cinco dias.

O governo do Espírito Santo informou que conta, atualmente, com cerca de 1,7 milhão de seringas em estoque, e disse que adquiriu outros 6 milhões que serão entregues de forma fracionada até o final de janeiro. Além disso, o estado ressaltou que está em processo de aquisição de outros 10,5 milhões de unidades.

O governo do Acre foi o único que não respondeu à reportagem.

Na quarta-feira, o Ministério da Saúde havia anunciado que compraria mais de 100 milhões de seringas e agulhas para garantir a vacinação em todo o país, principalmente nas regiões onde esses insumos estão em falta. Com os estados anunciando que os estoques são suficientes para dar início à campanha de imunização contra a Covid-19, resta saber se a pasta pretende dar prosseguimento a esse plano de aquisição. A nossa reportagem entrou em contato com o ministério e aguarda uma resposta sobre essa questão.

E no final da tarde da quinta, o ministro do Supremo Ricardo Lewandowski determinou que todos os estados e o Distrito Federal informem qual a quantidade de agulhas e seringas que possuem em estoque, e quantas dessas unidades estão disponíveis para serem utilizadas na vacinação contra a covid-19. O prazo para que essas informações sejam fornecidas ao STF é de cinco dias.

Agência Brasil

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal