Rio de Janeiro

Justiça torna preventiva prisão do assassino da juíza morta a facadas

Paulo José Arronenzi, de 52 anos, foi o responsável por tirar a vida da ex-mulher na presença das três filhas do casal na véspera do Natal.

A Justiça converteu em preventiva a prisão em flagrante do engenheiro Paulo José Arronenzi, de 52 anos, acusado do assassinato da ex-mulher, a juíza Viviane Arronenzi, na quinta (24), na presença das três filhas do casal. A audiência de custódia terminou às 15h07 da sexta-feira  (25). A decisão é da  juíza Monique Brandão.Justiça, Justiça torna preventiva prisão do assassino da juíza morta a facadasJustiça, Justiça torna preventiva prisão do assassino da juíza morta a facadas

Paulo Arronenzi já está na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, zona norte do Rio, entrada dos presos no sistema penitenciário. Depois de uma triagem, o réu será encaminhado a um presídio do Estado, onde ficará à disposição da Justiça, aguardando julgamento.

Defensoria lamenta

Em nota, a Defensoria Pública do Rio de Janeiro também manifestou pesar pela morte da juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi.

“Infelizmente, é mais um caso de violência contra a mulher, uma chaga social que atinge todas as esferas da nossa sociedade, sem escolher origem, classe ou posição social. Nós, da Defensoria, nos unimos à dor dos entes queridos que agora choram esta perda irreparável. Lamentamos profundamente que notícias de feminicídio sejam pauta frequente no Brasil, mesmo em dias que deveriam ser apenas de celebração à vida.”

A nota acrescenta que a Defensoria Pública está à disposição de todas as mulheres que se sentem ameaçadas.

“Ao Judiciário fluminense, fica o registro de toda nossa solidariedade pela perda da magistrada que tão bem honrou a função que exercia. Perde o Judiciário; perde a sociedade; perde, sobretudo, a família”, conclui o texto.

Leia também:
>>>Casos de feminicídio crescem 22% em 12 estados durante pandemia

Nota de pesar

Em nota, o TJRJ lamentou a morte da magistrada. “O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro lamenta profundamente a morte da juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, vítima de feminicídio na Barra da Tijuca nesta quinta-feira (24)”.

Também em nota, a Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro (Amaerj) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) informam o assassinato da juíza e prometem punição para o autor do crime. “Nesta Nota Oficial conjunta, as entidades representativas dos magistrados fluminenses e brasileiros se solidarizam com os parentes e amigos da pranteada magistrada. Este crime bárbaro não ficará impune, asseguramos”.

Em mensagem no Twitter da Associação de Magistrados Brasileiros, a presidente Renata Gil chamou a atenção para os casos de feminicídio cometidos no país “O feminicídio é o retrato de uma sociedade marcada ainda pela violência de gênero. Precisamos combater esse mal!”, disse, manifestando solidariedade à família.

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro também manifestou pesar pela morte da juíza e prestou solidariedade à família e aos amigos da magistrada, ao presidente do Tribunal de Justiça e às associações da Magistratura. “Viviane Vieira do Amaral Arronenzi integrava a magistratura do estado do Rio de Janeiro havia 15 anos. Atualmente, trabalhava na 24ª Vara Cível da capital. Antes, atuou na 16ª Vara de Fazenda Pública”.

Ainda na nota, a Procuradoria-Geral de Justiça do Rio disse que segundo informações da Polícia Civil, o autor do crime é o ex-marido da juíza, Paulo José Arronenzi, de 52 anos, preso em flagrante. “O MPRJ, por meio da Promotoria de Justiça com atribuição, irá acompanhar a investigação deste bárbaro crime e repudia o feminicídio”.

A Guarda Municipal informou que as três filhas do casal assistiram o crime.

A Polícia Civil informou que a Delegacia de Homicídios da capital instaurou inquérito para investigar o assassinato. “O autor é o ex-marido da vítima, que foi preso e autuado em flagrante por feminicídio. A perícia foi realizada no local do crime e o corpo da juíza foi encaminhado para o Instituto Médico-Legal do centro. As investigações continuam”, acrescentou a Polícia Civil.

Agência Brasil 

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal