Operação

Polícia Federal prende advogado por saque ilegal de R$ 4 milhões em precatório

Mandado de prisão contra advogado faz parte da segunda fase da operação 4 Milhões, que combate crimes de estelionato, associação criminosa e lavagem de dinheiro. As medidas foram para endereços no Recife e em Moreno.

A Polícia Federal em Pernambuco (PF-PE)dá cumprimento, nesta sexta-feira (20), a três mandados de busca e apreensão, e um de Prisão Preventiva em desfavor de um advogado expedidos pela 4ª Vara da Justiça Federal de Pernambuco. Os mandados estão sendo cumpridos simultaneamente em Recife/PE(02) e Moreno/PE(01), e foram empregados aproximadamente 12 policiais federais em 3 equipes.

As investigações foram levadas a efeito por meio da Delegacia de Repressão a Crimes Fazendários – DELEFAZ e se iniciaram em outubro, quando a Caixa Econômica Federal descobriu o golpe levado a efeito por um advogado que apresentou uma Procuração Pública lavrada no Cartório de Moreno/PE, com base em um documento de identidade falsificado, e conseguiu levantar o precatório no valor de 4 milhões de reais, na Agência da CAIXA, localizada no TRF da 5ª Região, nesta cidade do Recife. É que a verdadeira beneficiária do processo, apresentou-se à Agência da CAIXA para receber o referido precatório.

A investigação busca identificar todos os membros desta ORCRIM, outros precatórios porventura sacados de forma fraudulenta, bem como o destino dos valores desviados. Na primeira fase foram apreendidas novas procurações fraudulentas que possibilitariam levantar precatórios que somam R$12.773.226,59 (doze milhões setecentos e setenta e três mil duzentos e vinte e seis reais e cinquenta e nove centavos).

Os integrantes da ORCRIM são investigados pela prática dos crimes de Estelionato qualificado, associação criminosa, lavagem de dinheiro e constituir/integrar Organização Criminosa, tipificados nos artigos 171, º3º e 288 do CPB, artigo 1º da Lei 9.613/98 e art. 2º da lei 12.850/2013. Penas que se somadas, em caso de condenação, podem chegar a 30 anos de reclusão. O nome da operação faz referência à quantia sacada de forma fraudulenta no valor de 4 milhões de reais. Após ser ouvido na Polícia Federal, o advogado será encaminhado para o COTEL onde ficará à disposição da Justiça Federal.

Da redação do portal com informações da Polícia Federal de Pernambuco

Ver mais:

>> PF deflagra segunda fase da Operação Km Livre em 5 cidades brasileiras

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com