Resposta

Bolsonaro diz que ‘ganhou mais uma’ depois da suspensão de testes da Coronavac

Presidente respondeu um comentário após ser questionado sobre a possibilidade de compra da vacina.

Nesta terça-feira (10), o presidente Jair Bolsonaro respondeu um comentário de um internauta no Facebook depois de ser questionado sobre a possibilidade de compra da vacina Coronavac, em caso de comprovação científica.

O medicamento, que tem o objetivo de frear os efeitos da pandemia do novo coronavírus, estava na fase 3 e teve os estudos suspensos na última segunda-feira, 9 de novembro, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Na resposta do comentário, o chefe da nação também citou o gestor estadual de São Paulo, João Doria.

“Morte, invalidez, anomalia… Esta é uma vacina que o Doria queria obrigar a todos os paulistanos tomá-la. O presidente disse que a vacina jamais poderia ser comprada. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”,  disse Bolsonaro no Facebook.

Bolsonaro, Bolsonaro diz que ‘ganhou mais uma’ depois da suspensão de testes da Coronavac
Resposta do presidente Jair Bolsonaro no Facebook. Foto: Reprodução

A vacina Coronavac vem sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a Sinovac.

Pandemia

Até o momento, a pandemia do novo coronavírus já infectou 5.675.766 brasileiros. Desse número, 162.638 pessoas perderam a vida para o vírus no país.

Leia também:
>>>Anvisa suspende estudos da Coronavac após grave incidente com voluntário

Suspensão

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou, em nota, que suspendeu os estudos clínicos da vacina Coronavac, uma das que estão em estudo contra o novo coronavírus. A suspensão ocorreu por causa de um “evento adverso grave” ocorrido. A Anvisa não informou qual evento seria. Pode ser desde a internação de um voluntário até a sua morte.Bolsonaro, Bolsonaro diz que ‘ganhou mais uma’ depois da suspensão de testes da CoronavacBolsonaro, Bolsonaro diz que ‘ganhou mais uma’ depois da suspensão de testes da Coronavac

De acordo com a agência, esse evento adverso ocorreu em 29 de outubro. Agora, a agência reguladora vai analisar os dados observados até o momento e julgar sobre o risco/benefício da continuidade do estudo. Esse tipo de interrupção nos estudos, segundo a Anvisa, é parte dos procedimentos de Boas Práticas Clínicas para estudos desenvolvidos no Brasil.

“Com a interrupção do estudo, nenhum novo voluntário poderá ser vacinado. A Anvisa reitera que, segundo regulamentos nacionais e internacionais de Boas Práticas Clínicas, os dados sobre voluntários de pesquisas clínicas devem ser mantidos em sigilo, em conformidade com princípios de confidencialidade, dignidade humana e proteção dos participantes”, acrescentou a agência, em nota.

A Coronavac está sendo desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Dez dias antes do “evento adverso grave” ser registrado, ela foi considerada a vacina mais segura dentre todas as testadas pelo diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas.

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com