Pedido

Humberto vai à PGR contra disparos por WhatsApp nas eleições

Juntamente com outros três parlamentares do PT, o senador solicitou que o Ministério Público Federal (MPF) abra uma investigação para apurar o caso.

Membro da CPI das Fake News, o senador Humberto Costa (PT-PE) ingressou com uma representação na Procuradoria-Geral da República contra cinco empresas denunciadas por oferecer serviços de disparos em massa de mensagens eleitorais.

De acordo com o petista, a denúncia trazida por veículos de imprensa de que empresas estão vendendo serviços de disparos em massa para candidatos nas eleições municipais deste ano comprova violação da legislação eleitoral e das leis penal e de proteção de dados pessoais, já que os envolvidos estão comercializando ilegalmente, também, informações privadas de cidadãos.

Ver mais:

>> Senador Humberto pede à PGR que ministros de Bolsonaro respondam por crime de responsabilidade

>> Humberto Costa: “Pela primeira vez, PF terá que lavar dinheiro”

>> Humberto Costa caminha ao lado de Marília Arraes em ato na Zona Norte do Recife

“Nós já vimos no que isso deu em 2018 quando Bolsonaro chegou à Presidência da República por meio de uma campanha fraudulenta, baseada no disparo de mensagens ilegais em massa cheias de fake news. Isso não pode se repetir. O Ministério Público e a Justiça Eleitoral têm de agir para impedir esse novo atentado à lisura das eleições”, afirmou o senador.

No documento, assinado por Humberto, pelo senador Rogério Carvalho (PT-SE) e pelos deputados Rui Falcão (PT-SP) e Natália Bonavides (PT-RN), os parlamentares pedem ao procurador-geral da República, Augusto Aras, que a investigação do MPF leve a uma “exemplar responsabilização cível, eleitoral e penal” de todos os envolvidos na prática ilícita.

Da redação do Portal com informações da Assessoria de Humberto Costa

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com