Investigações

Corrupção na PF: operação mira em servidores e empresários envolvidos no pagamento de propina a policiais no Rio

De acordo com a Força Tarefa, os investigados são suspeitos de pagar propina para policiais em troca da proteção em investigações.

A Polícia Federal (PF) faz hoje (15) operação contra um esquema de pagamento de propina por empresários a policiais em troca de proteção em investigações. Estão sendo cumpridos dois mandados de prisão preventiva e 33 mandados de busca e apreensão.

Essa é a segunda fase da operação Tergiversação, desencadeada em 2019, que investigou a cobrança por policiais federais de propinas a investigados nos inquéritos Titanium (de fraudes envolvendo o plano de saúde dos Correios) e Viupostalis/Recomeço (de fraudes envolvendo o Postalis, fundo de pensão dos Correios).

O esquema de corrupção envolvia um delegado e um escrivão do Núcleo de Repressão a Crimes Postais da Delegacia Federal de Repressão a Crimes contra o Patrimônio (Delepat) do Rio de Janeiro.

Na operação de hoje, os alvos são outros empresários que participaram do esquema de pagamento de propinas aos agentes públicos e advogados que atuaram como intermediários das cobranças das propinas. De acordo com a PF, também são alvos servidores públicos federais e estaduais.

Ver mais: 

>> PF faz buscas e apreensão na casa de vice-líder do governo no Senado

Ainda segundo a PF, as vantagens indevidas recebidas pelos integrantes da organização criminosa giram em torno de R$ 10 milhões.

Agência Brasil

Covidão: PF mira em esquema criminoso que desviou R$ 20 milhões da Saúde de Roraima

Uma operação contra esquema criminoso de desvio de recursos públicos foi deflagrada na manhã desta quarta-feira (14), pela Polícia Federal e a Controladoria Geral da União (CGU), em Roraima.

De acordo com as investigações, foram desviados aproximadamente R$ 20 milhões em emendas parlamentares que eram destinados à Secretaria Estadual de Saúde (Seau) para o combate à pandemia.

Ao todo, foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão em Boa Vista, todos expedidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A operação é denominada de Desvid-19 e mirou no esquema criminoso que praticava as irregularidades por meio de fraudes em licitação.

Roraima já recebeu, em 2020, cerca de R$ 171 milhões repassados pelo Fundo Nacional de Saúde (FNS). Desse valor, R$ 55 milhões são especificamente para combate à Covid-19, conforme a CGU.

“A má aplicação desses recursos, em um momento tão delicado como o atual, é extremamente prejudicial para a sociedade, já bastante afetada pelos efeitos da pandemia.”, pontuou a Controladoria.

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com