Recife

Profissionais de saúde ganham guia de apoio para casos de síndrome congênita do zika vírus

Manual dá orientações e protocolos a serem seguidos, consolidando o conhecimento obtido nos últimos cinco anos após a epidemia.

A partir desta terça-feira (13), os profissionais da atenção básica à saúde do Recife passam a contar com um guia de apoio, com orientações e protocolos específicos a serem aplicados no atendimento e acompanhamento de casos da síndrome congênita do zika vírus.

O material foi produzido através de uma parceria da Secretaria de Saúde do Recife (Sesau) com a Fundação Altino Ventura (FAV) e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), que fizeram a consolidação de tudo que foi vivenciado e comprovado cientificamente nos últimos cinco anos, após a epidemia da síndrome congênita do zika vírus, entre 2015 e 2016, quando aumentaram as ocorrências de microcefalia e outras complicações neurológicas em recém-nascidos de mães que se infectaram pelo vírus durante a gravidez.

O lançamento do manual de orientação para os profissionais foi realizado nesta terça, durante a cerimônia de 34 anos da FAV, em solenidade no auditório do Centro Especializado em Reabilitação IV, na Iputinga.

Leia também:

>>>Unidade de Saúde da Família na UR-10 é requalificada pela Prefeitura

Na ocasião, a diretora de Atenção Básica à Saúde do Recife, Ana Sofia Costa, explicou que o objetivo do guia é embasar o profissional da atenção primária, que é aquele que está mais próximo da criança, sobre como proceder em vários aspectos.

“Quando surgiram os primeiros casos, em 2015, víamos que era uma patologia completamente nova e que exigia acompanhamento integral do crescimento dessas crianças. A síndrome não causa somente a microcefalia, mas também retardo no desenvolvimento cognitivo, alterações na visão e na audição. E o guia consolida todo esse entendimento”, explica a diretora, que é médica de Saúde da Família.

O guia foi elaborado com a contribuição de cerca de 50 profissionais de saúde, tanto da atenção primária quanto da especializada. Além disso, mães e outros familiares de crianças com a síndrome também foram ouvidos durante o processo de criação do documento.

“Essa escuta foi fundamental para a produção do conteúdo. Sabemos que as mães e as famílias sofreram muita discriminação, mas não desanimaram. Com apoio psicológico e social, somados aos estímulos em casa, o desenvolvimento dessas crianças superou todas as expectativas da ciência”, aponta a vice-presidente da FAV, Liana Ventura.

O documento de 135 páginas está disponível no site da FAV .

“Estamos seguros de que o guia irá ajudar muito na superação dos desafios impostos pela síndrome, pois aposta na identificação para mudar o curso da doença e orienta ações para ampliação da qualidade de vida e integração das pessoas com a síndrome na sociedade”, elogia a representante da OPAS no Brasil, Lely Guzman.

Epidemia

O Recife foi o epicentro da epidemia da síndrome congênita do zika vírus, entre 2015 e 2016. Em outubro daquele ano, após ser atestada a relação entre o vírus e a microcefalia em bebês, a Secretaria de Saúde do Recife elaborou o Plano Municipal de Ação, focado na área de assistência à saúde.

O suporte clínico e laboratorial da rede de saúde ganhou reforço e foram criados serviços especializados, como o Núcleo de Desenvolvimento Infantil, na Policlínica Lessa de Andrade, na Madalena.

Da redação do Portal com informações da assessoria da Secretaria de Saúde da Prefeitura do Recife

Veja Mais

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com