Condenação

Segunda Turma condena ex-senador Raupp por corrupção e lavagem de dinheiro

A votação terminou com o placar de 3 a 2, favorável pela condenação.

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) condenou, por 3 votos a 2, o ex-senador Valdir Raupp (MDB-RO) por corrupção e lavagem de dinheiro na Lava Jato. Votaram pela condenação Edson Fachin, Celso de Mello e Cármen Lúcia. Pela absolvição votaram Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes.

A Procuradoria-Geral da República acusou Raupp por receber R$ 500 mil da Queiroz Galvão em 2010 por intermédio do diretório do MDB em Rondônia. Ele pediu a doação a Paulo Roberto Costa, então diretor de Abastecimento da Petrobras. Segundo a denúncia, o ex-senador usou o cargo e a influência política para manter o diretor no cargo e o esquema do petrolão.

Ver mais:

>> Jucá e Raupp são denunciados pela Lava Jato por corrupção e lavagem de dinheiro

>> Justiça aceita denúncia contra Jucá (MDB) e ex-senador vira reú na Operação Lava Jato da PF

Gilmar Mendes disse não haver provas da atuação de Raupp para manter Paulo Roberto Costa na estatal e de que a doação da Queiroz Galvão tenha de fato beneficiado a campanha do ex-senador em 2010.

“O atendimento de um pedido de doação em virtude da importância política do solicitante não é suficiente para caracterizar o crime de corrupção. Falta, para essa finalidade, o concreto acordo envolvendo as funções públicas do parlamentar, que não pode ser afirmado com base em meras suposições, ilações ou fatos não esclarecidos. Onde está o pacto do injusto? Por outro lado, as provas produzidas pela defesa desconstroem a meu ver inclusive a alegada proeminência política atribuída pela acusação ao réu Valdir Raupp”, disse Gilmar.

Em nota, a defesa de Raupp afirmou que que vai recorrer ao plenário do STF. Disse ter comprovado no processo que não houve pedido de propina e que a doação eleitoral “não teve qualquer relação com mercancia de mandato político”.

“A condenação se deu em um contexto danoso de indevida criminalização da atividade política, em que os depoimentos de colaboração premiada foram utilizados em desconformidade com a lei e com outros precedentes do próprio STF […] O caso é um marco processual da ausência de provas para condenação, a defesa demonstrou que os depoimentos, acareações, quebras de sigilo telefônico e os laudos periciais confirmam a versão defensiva”, afirmaram os advogados Marcelo Turbay e Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay.

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com