Devolução

MPPE recomenda ao prefeito de Timbaúba que devolva recursos públicos ao Fundo da Criança e do Adolescente

O Ministério Público de Pernambuco recomendou que Ulisses Felinto Pinto devolva a quantia de R$ 218.599,73 ao referido fundo.

Após constatar a utilização de recursos do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente em situações diversas de programas e projetos voltados aos interesses da infância e da juventude em Timbaúba, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), por meio da 2º Promotoria de Justiça de Timbaúba, recomendou ao prefeito do município, Ulisses Felinto Filho, que devolva a quantia de R$ 218.599,73 ao referido fundo.

De acordo com o art. 52-A do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), os repasses feitos aos Fundos da Criança e do Adolescente estão sujeitos às deliberações dos Conselhos por eles responsáveis.

O uso do orçamento do Fundo da Criança e do Adolescente está vinculado à deliberação do Comdica (Conselho Municipal de Defesa e Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente) e sua destinação deve ser exclusivamente para programas ou projetos de atendimento a crianças e adolescente.

Leia também:

>>>MPPE recomenda que Câmara de Vereadores de Timbaúba retome sessões ordinárias de forma remota
>>>MPPE recomenda que farmácias e mercados de Timbaúba não aumentem preços de produtos essenciais
>>>MPPE recomenda ao prefeito de Timbaúba que corrija irregularidades da UPA Maria José de Albuquerque Rosendo

No caso de Timbaúba, os recursos do fundo foram destinados ao pagamento de despesas com o custeio do Conselho Tutelar, como contas de água, contas de energia, contas de telefonia, material de consumo, serviços de terceiros, diárias de pessoal e material de uso permanente.

Tal comportamento, conforme destacou o promotor de Justiça João Elias da Silva Filho, impõe prejudiciais consequências para as políticas públicas de atendimento à infância e juventude do município, na medida em que programas e projetos deixam de ser implementados justamente pela indisponibilidade de recursos.

O MPPE fixou um prazo de 90 dias para o prefeito providenciar a devolução da quantia e recomendou que sejam observados os ritos e preceitos específicos para futuras utilizações dos recursos do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente, que devem sempre passar por análises e deliberações do COMDICA.

A recomendação de número 010/2020 foi publicada na íntegra no Diário Oficial Eletrônico do MPPE do dia 2 de outubro.

Da redação do Portal com informações do MPPE

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Enviar Mensagem
Entre no Grupo de WhatsApp do Portal