Prisão Domiciliar

Justiça concede prisão domiciliar ao vice-prefeito de Agrestina

Conhecido como Zito da Barra, o vice-prefeito teve prisão domiciliar concedida pelo juiz Edilson Pereira Nobre Junior.

O juiz Edilson Pereira Nobre Junior concedeu na noite de domingo (20), a prisão domiciliar para o vice-prefeito de Agrestina, José Pedro da Silva, conhecido por Zito da Barra.

O vice-prefeito foi preso no dia 10 de setembro na terceira fase da Operação Pescaria, da Polícia Federal. Já o prefeito, Thiago Nunes, o secretário e uma empresária seguem presos. Eles devem entrar com um pedido de habeas corpus.

A terceira fase da Operação Pescaria foi deflagrada em continuidade às investigações iniciadas em 2018. A operação apura a atuação de uma organização criminosa suspeita de desvio de recursos públicos da prefeitura de Agrestina.

Ver mais:

>> PF encontra R$ 210 mil em operação que prendeu prefeito e vice de Agrestina

>> Prefeito e vice-prefeito de Agrestina são presos em operação da Polícia Federal

>> Prefeito e vice-prefeito de Agrestina têm mandatos cassados pelo TRE-PE

“Decido.

 O requerente JOSÉ PEDRO DA SILVA, vice-prefeito do Município de Agrestina/PE, foi preso preventivamente com base no art. 312 do CPP, para garantida a ordem pública, da instrução criminal e assegurar a aplicação da lei penal, pelos fundamentos na decisão de id. .

 Como fundamento para revogação de sua prisão preventiva invoca o seu estado de saúde, idade de 59 anos, requisitos subjetivos favoráveis e o risco de contrair o COVID19 na unidade prisional.

 Após a deflagração da terceira fase da Operação Pescaria, com o cumprimento das diligências requeridas pela Policia Federal, verifica-se, quanto ao investigado, a necessidade de readequação da medida adotada, de modo a torná-la compatível com a nova realidade fática evidenciada, considerando a efetiva participação e posição do investigado no suposta ORCRIM e a subsistência dos motivos de cautelaridade que ensejaram a custódia preventiva, nos termos do art. 316 c/c 319 do CPP.

 No caso, em relação ao requerente JOSÉ PEDRO DA SILVA, em um juízo de proporcionalidade, constato não haver mais necessidade de conservar o requerente submetido à medida extrema, podendo a ordem pública, a instrução criminal e a aplicação da lei penal serem acautelados através da adoção de outras medidas, sobretudo diante do atual estado de saúde do investigado comprovado nos autos.

 Com efeito, o laudo médico juntado pelo requerente expedido pelo médico do sistema prisional do Estado de Pernambuco Márcio Tomio Shimbo Júnior (CRM/PE 20.502), atesta ser o quadro de hipertensão de JOSÉ PEDRO de difícil controle e com evolução sem melhora, recomendando cuidados em regime domiciliar, in verbis (id. 4050000.22582164):

(…)

Por tais fundamentos, revogo a prisão preventiva de JOSÉ PEDRO DA SILVA, substituindo-a

pelas seguintes medidas:

a) prisão domiciliar com monitoramento eletrônico, consequentemente, mantendo o afastamento do cargo de vice-prefeito;

b) proibição de manter contato com funcionários da Prefeitura de Agrestina e demais investigados no inquérito;

c) comparecimento periódico ao Juízo Federal da Subseção Judiciária de Caruaru a cada 30 (trinta)dias, com início após o retorno das atividades presenciais daquele órgão.

 Expeça-se o alvará de soltura.”

Deixe seu comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com