Dinheiro

PF encontra R$ 210 mil em operação que prendeu prefeito e vice de Agrestina

O vice-prefeito chegou a se sentir mal e foi atendido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

PF encontra R$ 210 mil em operação que prendeu prefeito e vice de Agrestina

PF encontra R$ 210 mil em operação que prendeu prefeito e vice de Agrestina/ Foto: Divulgação

Publicado em 10 de setembro de 2020 - 12:50

Por

A Polícia Federal cumpriu, na manhã desta quinta-feira (10), mandado de busca e apreensão de documentos na sede da Prefeitura de Agrestina, no Agreste de Pernambuco, por crime de corrupção e desvio de recursos públicos. Foram apreendidos R$ 210 mil durante a operação.

Na ação policial, o prefeito de Agrestina Thiago Nunes (MDB) e seu Vice, Zito da Barra, foram presos.

Em seguida, os políticos foram levados para a Delegacia da PF em Caruaru, para prestar esclarecimentos. O vice-prefeito se sentiu mal e foi atendido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

Além do prefeito de Agrestina, Thiago Nunes (MDB), e do vice-prefeito Zito da Barra (PSDB), foram presos, dentro da 3ª fase da Operação Pescaria da Polícia Federal, um funcionário da prefeitura de Agrestina e dois empresários que estavam envolvidos no suposto esquema criminoso. Os nomes deles não serão revelados.

PF encontra R$ 210 mil em operação que prendeu prefeito e vice de Agrestina/ Foto: Divulgação

Por meio da assessoria, os advogados dos políticos disseram que Thiago Nunes e Zito da Barra foram apenas prestar esclarecimentos para polícia, e que não houve prisão.

Foram encontrados R$ 110 mil reais em dinheiro dentro de um cofre e dois cheques no valor de R$ 50 mil reais cada. Totalizando R$ 210 mil reais apreendidos pela PF. Os valores foram encontrados na casa de outro suspeito investigado na mesma operação.

Ver mais:

>> Prefeito e vice-prefeito de Agrestina são presos em operação da Polícia Federal

>> Prefeito e vice-prefeito de Agrestina têm mandatos cassados pelo TRE-PE

>> Secretária de saúde de Agrestina, interior do estado, é presa por tráfico de drogas

A operação

A Polícia Federal em Caruaru, com o apoio da Controladoria-Geral da União-CGU, deflagrou na manhã desta quinta-feira (10), a terceira fase da Operação Pescaria, com o propósito de dar continuidade às ações repressivas iniciadas no ano de 2018 para desarticular uma Organização Criminosa especializada no desvio de recursos públicos na Prefeitura de Agrestina/PE.

As vantagens ilícitas eram auferidas por meio da contratação fraudulenta de empresa de “fachada”, com recursos oriundos de verbas federais, frustrando o caráter competitivo do processo licitatório e promovendo a execução dos contratos por meio de terceiros desqualificados.

PF encontra R$ 210 mil em operação que prendeu prefeito e vice de Agrestina/ Foto: Divulgação

A investigação que culminou com a deflagração da Operação Pescaria III, mira a lavagem dos lucros ilicitamente auferidos pela organização criminosa, levada a cabo por meio da utilização de conta bancária de titularidade de um “laranja” vinculado ao grupo. Esta conta bancária servia aos investigados para o recebimento de transferências bancárias e depósitos em espécie, estes na sua maioria em valores baixos e sem a identificação da origem, realização de saques de valores vultuosos, bem como, também, para a utilização de títulos de crédito ao portador (cheques) assinados em branco, tudo com o propósito de dificultar a identificação da origem criminosa do dinheiro.

Nesta data a Polícia Federal cumpre 05 (cinco) Mandados de Prisão Preventiva, 13 (treze) Mandados de Busca e Apreensão em endereços residenciais e comerciais, além de Mandados de Afastamento de Funções Públicas dos ocupantes de cargos na administração municipal de Agrestina, além de Mandados de Afastamento de Sigilos Bancário e Fiscal dos investigados, todos expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região.

As duas fases que antecederam a Operação Pescaria III foram deflagradas respectivamente em 21/02/2019 e 28/03/2019.

Os crimes investigados na atual fase da operação são de Organização Criminosa, Peculato, Falsidade Ideológica e Lavagem de Dinheiro. A ação conta com o emprego de 70 (setenta) Policiais Federais, além de servidores da Controladoria-Geral da União.

Da redação do Portal com informações da Polícia Federal de Pernambuco

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com