Pesar

Prefeito do Recife, Geraldo Julio, se manifesta sobre morte do menino Miguel, de 5 anos

Dois dias depois do garoto cair do 9º andar de um prédio no bairro de São José, no Centro do Recife, o gestor disse se solidarizar pela perda irreparável.

Prefeito do Recife, Geraldo Julio, se manifesta sobre morte do menino Miguel, de 5 anos

Prefeito do Recife, Geraldo Julio. Foto: Divulgação/PCR

Publicado em 4 de junho de 2020 - 19:41

Por

Só após dois dias depois da morte do menino Miguel, de 5 anos, que caiu do 9º andar de um prédio no bairro de São José, no Centro da capital pernambucana, e grande repercussão nas redes sociais, o prefeito do Recife, Geraldo Julio, se manifestou sobre o ocorrido utilizando a conta pessoal no twitter ao dizer que se solidariza pela perda irreparável.

“Se fosse eu, meu rosto estaria estampado, como já vi vários casos na TV. Meu nome estaria estampado e meu rosto estaria em todas as mídias. Mas o dela não pode estar na mídia, não pode ser divulgado”. O desabafo foi feito por Mirtes Renata Souza, mãe do menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, que concedeu entrevista à TV Globo.

Entenda

Miguel Otávio Santana da Silva, um garoto de 5 anos morreu, na última terça-feira (2), após cair do 9º andar de um prédio no bairro de São José, no Centro do Recife. Segundo a Polícia Militar, o caso ocorreu às 13h, no Condomínio Píer Maurício de Nassau, um dos imóveis do conjunto conhecido como “Torres Gêmeas”.

A mãe do menino que é empregada doméstica trabalhava no quinto andar do prédio. O corpo de Miguel foi liberado do Instituto de Medicina Legal (IML) e seguiu para ser velado em uma funerária, nesta quarta-feira (3).

A empregadora foi autuada por homicídio culposo, mas não teve o nome divulgado pela Polícia Civil. Ela chegou a ser presa em flagrante, mas pagou R$ 20 mil de fiança e responderá em liberdade.

LEI

O nome da suspeita não foi divulgado pela Polícia Civil em cumprimento da Lei de Abuso de Autoridade nº 13.869/2019, que, entre outros pontos, proíbe a divulgação de imagens e nomes por parte dos policiais e servidores públicos membros dos Poderes Legislativo, Executivo, Judiciário e do Ministério Público. A pena é de até quatro anos de prisão, caso a autoridade descumpra a legislação.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com