Pernambuco

Fórum discute capacitação e vagas para mulheres em Logística, Infraestrutura e Meio Ambiente

Por influência do Pernambuco Com Elas, Suape elabora plano de equidade de gênero

Fórum discute capacitação e vagas para mulheres em Logística, Infraestrutura e Meio Ambiente

Publicado em 13 de março de 2020 - 23:13

Por

Fotos: Diego Galba/VG

Empresas, entidades, secretarias e conselhos ligados às áreas de Logística, Infraestrutura e Meio Ambiente estiveram reunidos, nesta sexta (13), para debater a presença feminina nesses setores. Neste quinto Fórum de Diálogos do Pernambuco Com Elas, foram apresentadas propostas de capacitação para mulheres, destinação de vagas em contratações e recorte de gênero em editais. Representantes de Suape detalharam um pioneiro projeto de equidade que o complexo portuário pretende implementar.

Coordenada pela vice-governadora Luciana Santos, a reunião serviu como momento de discutir ideias, sugestões e iniciativas e articular ações dentro do próprio governo, no sentido de garantir uma inclusão justa e cidadã das mulheres no mercado de trabalho.

No encontro, o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, José Bertotti, apresentou propostas para um programa integrado de reflorestamento, ainda em formatação, que deverá contar com a participação decisiva de mulheres. A ideia é criar uma rede de mulheres coletoras de sementes. Ele apontou ainda a possibilidade de ter um recorte de gênero, dentro de um edital voltado à restauração florestal.

A presidente da Compesa, Manuela Marinho, propôs um trabalho de sensibilização com os parceiros privados do Estado, para a contratação de mais mulheres. Ela também sugeriu a promoção de um curso profissionalizante para encanadoras, semelhante ao que a Celpe fez ao criar uma escola para eletricistas voltada para pessoas do sexo feminino.

Nessa direção, Luciana resgatou que, quando prefeita de Olinda, fez acordo com empresas prestadoras de serviços para a existência de um percentual de mulheres nas obras de infraestrutura. “Elas trabalharam em contenção de encostas, no acabamento da construção civil e, no trabalho das praças, não tinha ninguém melhor que elas”, lembrou.

Fernandha Batista, primeira mulher a ocupar o cargo de secretária de Infraestrutura e Recursos Hídricos, contou que, na sua pasta, 54% do total de colaboradores são do sexo feminino. No Departamento de Estradas e Rodagens (DER), contudo, são apenas 13% de mulheres. Ela destacou que, em 2019, Pernambuco destinou mais de R$791 milhões a investimentos. Entre as sugestões colocadas pela secretária, estiveram a capacitação de mulheres para finalização de obras de barragens – cujos recursos assegurados são da ordem de R$77 milhões – e um recorte de gênero em editais da secretaria.

Motivados pelo decreto que deu origem ao Pernambuco Com Elas, Francisco Martins e Tahiana Gurgel, respectivamente diretor de Planejamento e Gestão e gerente de negócios em Suape, expuseram o projeto de equidade que o complexo portuário quer levar adiante.

A ideia é minimizar as desigualdades presentes no setor. De acordo com dados trazidos por eles, na Europa e Estados Unidos, as mulheres são apenas 22% dos profissionais da logística. No Brasil, o percentual é ainda menor, de 17%. Por aqui, de 2,2 milhões de profissionais, só 374 mil são do sexo feminino. Nos cargos de diretoria e chefia de Suape, somente 39,2% são ocupados por mulheres.

Numerosos estudos científicos mostraram que a diversidade de gênero na força de trabalho não apenas promove a colaboração, a compreensão e a tolerância, mas também aumenta a competitividade, a produtividade e a responsabilidade social corporativa. Características e habilidades ‘femininas’, como flexibilidade, orientação para o serviço, implementação consistente de metas, trabalho em equipe, eficiência, tomada de decisão e gerenciamento de conflitos são ideais para trabalhos estratégicos e em organizações líderes”, citou a apresentação.

Com o projeto, Suape quer qualificar e capacitar e dar visibilidade às servidoras; estimular, promover e capacitar a formação portuária/logística feminina, nas instituições do entorno; facilitar o acesso a diagnósticos e tratamentos, garantindo a saúde e o bem-estar das funcionárias e mulheres das comunidades próximas; e, através da política de interação, apoiar e viabilizar negócios empreendidos/liderados por mulheres, gerando emprego e renda no âmbito de Suape e estimulando fornecedores a adotarem práticas de equidade de gênero.

Precisamos superar esse lugar que historicamente foi destinado a nós, essa cultura que diz que o espaço privado é da mulher e o público, do homem. Podemos estar em qualquer lugar”, disse Luciana. De acordo com ela, os eventos do Pernambuco Com Elas têm ajudado a fomentar ideias e projetos e estimulado ações nos setores públicos e privados.

Nossa perspectiva é, em maio, quando fará um ano do nosso grupo de trabalho, apresentarmos um balanço. Tenho me enriquecido muito nesse diálogo. Quem está mais diretamente nesse grupo vê como chegam coisas impressionantes, ideias muito ricas. Quando vocês vêm aqui e apresentam um plano de equidade para Suape, quer dizer que o nosso trabalho já está dando resultados”, encerrou.

Participaram da atividade ainda representantes da Techidro LTDA, ITCBio, do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea), do Conselho Regional de Química, da ONG Casa da Mulher do Nordeste, entre outros. O Pernambuco por Elas reúne as ações do Grupo de Trabalho sobre Mulheres e o Mercado de Trabalho em Pernambuco, instituído pelo decreto Nº47.386, de 30 de abril de 2019.

O objetivo é fortalecer, direcionar e ampliar as políticas públicas de trabalho e renda para mulheres, que serão avaliadas e vão contribuir para a construção do Pacto pelo Emprego, com o fortalecimento feminino no setor produtivo. A iniciativa pretende envolver todas as esferas do governo e da sociedade em um grande esforço por maior equidade.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com