Reajuste

Em ano eleitoral, preço das passagens de ônibus na RMR não serão reajustadas em 2020

Paulo Câmara determinou que não haverá aumento para passagens no Grande Recife em 2020.

Em ano eleitoral, preço das passagens de ônibus na RMR não serão reajustadas em 2020

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Publicado em 17 de janeiro de 2020 - 09:57

Por

Foto: José Cruz/Agência Brasil

O governador Paulo Câmara determinou, nesta quinta-feira (16), que os preços das passagens de ônibus não sejam reajustadas. Em ano de eleição, reajuste destes preços podem ser fatais para a popularidade dos governantes.

Nesta linha, o governador Paulo Câmara já tinha dito na segunda-feira que não iria aceitar aumentos nas passagens. Os empresários haviam solicitado aumento na semana passada, em um pedido de reajuste de 14%. Empresas de ônibus pedem ‘realinhamento tarifário’ de 14,13%.

“O que vamos discutir este ano são as melhorias do sistema e não reajuste. Enquanto não tivermos avanços concretos no transporte público não falaremos aumento da tarifa. Vamos fazer a nossa parte e cobrar também dos empresários a parte deles”, orientou o governador.

Ano de eleição, é interessante lembrar que em 2017, o Governo autorizou aumento de 14% na tarifa de ônibus. Em 2018, ano eleitoral, não houve reajuste. No ano passado, reajuste de 7% na tarifa e esse ano, novamente ano eleitoral, não haverá aumento.

Geraldo Julio lança nesta quinta passagens de ônibus para desempregados com o VEM Meu Emprego “Não vamos agir como o Governo Federal que fez vários reajustes da passagem do metrô e nenhuma contrapartida na melhoria do serviço”, disse Paulo, nesta quinta-feira.

Em boa medida, a nova orientação do governado, em ano eleitoral, é uma resposta às críticas da frente, controlada por partidos de oposição.

“Nesse cenário onde a caixa-preta do transporte para constatar os lucros dos empresários nunca foi aberta, contando assim com a negligência e anuência do Governo do Estado, não resta alternativa para a população que não seja a pressão social”, afirmam em nota oficial, ao lado de críticas ao governador do Estado.

“O Governo do Estado nunca exigiu ou fez os relatórios de qualidade das empresas de ônibus, que precisariam atingir notas satisfatórias para continuarem a operar no Sistema. O Governador Paulo Câmara prometeu tarifa única e integração temporal, quando ainda era secretário da Fazenda, mas inexiste qualquer avanço nestas duas agendas. Vale a máxima: as empresas fingem que prestam um bom serviço e o Estado finge que fiscaliza”.

Na proposta um aumento de 14,13% nas passagens de ônibus, no Grande Recife. Se fosse aceito, o reajuste faria com que o anel A passasse de R$ 3,45 para R$ 3,90; o B, de R$ 4,70 para R$ 5,35 e o G, de R$ 2,25 para R$ 2,55.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com