Acusação

Campanha de Dilma teve mesada de R$100 mil em esquema, diz delator

Esses valores, porém, foram reajustados após pressão de representantes da Petros que pediram mais propina, afirmou Mario Suarez.

Campanha de Dilma teve mesada de R$100 mil em esquema, diz delator

Foto: Divulgação

Publicado em 14 de janeiro de 2020 - 14:01

Por

Foto: Divulgação

O empresário Mario Suarez, disse que o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto recebeu um total de R$ 2 milhões em vantagens indevidas e ficou acertado que o petista receberia R$ 100 mil por mês para atender demandas da eleição presidencial de 2010.

O rateio da propina do esquema para a construção da Torre Pituba, sede da Petrobras em Salvador (BA), envolveu até mesada para a campanha que elegeu Dilma Rousseff presidente em 2010, de acordo com nova delação da Lava Jato.

O delator também afirmou que os pagamentos foram efetivados entre janeiro e setembro daquele ano. Os repasses para Vaccari foram intermediados, diz o delator, por doleiros e até por sua cunhada.

“QUE, posteriormente, os percentuais acima foram alterados porque os dirigentes da PETROS e da Petrobras passaram a cobrar um valor maior do que o acordado; QUE então, Paulo Afonso, para compensar esses pagamentos, deixou de pagar o valor total prometido ao PT Nacional e ao PT Bahia;QUE foram feitos pagamentos a Jogo Vaccari. tesoureiro do PT a título de propina, que totalizaram cerca de R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais); QUE à época, ficou definido que Vaccari receberia R$100.000,00 por mês, mas, para atender demandas da eleição presidencial de 2010, Vaccari pressionou e a maior parte dos pagamentos foi efetivada entre janeiro e setembro daquele ano; QUE.posteriormente. Jogo Vaccari se desentendeu com Paulo Afonso, pois este descontou do valor total da propina acordada ao PT Nacional, os valores pagos a maior aos dirigentes da PETROS e da Petrobrás;QUE parte dos valores pagos a Jogo Vaccari era entregue em espécie por Paulo Afonso a pessoas indicadas por ele. como sua cunhada, ou por intermédio de um doleiro de Salvador, Sr. Luiz Eduardo.que fazia operações de dotar-cabo a partir de sua conta da Suíça, no banco UBS”.   

De acordo com o delator, o dinheiro da propina era dividido da seguinte forma: 1/3 para o PT Nacional, representado por João  Vaccari, 1/3 para PETROS, representada por Newton Carneiro e Wagner Pinheiro, e Petrobras, representada por Armando Tripodi, que era chefe de gabinete de Sergio Gabrielli, e 1/3 para o PT da Bahia, representado por Carlos Daltro, que era caixa de campanha de Jaques Wagner.

“QUE posteriormente. os percentuais mencionados foram alterados porque os dirigentes da PETROS e da Petrobrás passaram a cobrar um valor maior do que o acordado, e Pauta Afonso, para compensar esses pagamentos, deixou de pagar o valor total prometido ao PT Nacional e ao PT Bahia”.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com