Ativista que acusou Bolsonaro de “crimes contra a humanidade” defende o aborto

Ela é contra a criminalização do aborto e já participou de audiência pública no Senado Federal em 2016 para defender a interrupção da gravidez.

Publicado por: em 28 de novembro de 2019 - 14:23

Ver Perfil

Imprecisão

Foto: Montagem/ Portal de Prefeitura

O Coletivo de Advogados em Direitos Humanos assinou uma denúncia nesta quarta-feira (27) que afirma que o presidente Jair Bolsonaro cometeu “crimes contra a humanidade” ao “fazer ataques sistemáticos aos povos indígenas”.

A advogada e ativista Eloísa Machado de Almeida é contra a criminalização do aborto e já participou de audiência pública no Senado Federal em 2016 para defender a interrupção da gravidez.

“A proteção jurídica se dá com a noção de personalidade que começa com o nascimento. Há algo em ser humano que precisa ser preservado, o nome disso é autonomia. O direito à vida é inviolável e deve ser garantido pelo Estado. Vida após o nascimento (e não intra-uterina): é essa a vida que a Constituição Brasileira protege. O direito inviolável à vida é para a constituição o que o sagrado é para religião”, afirmou, na ocasião.

Eloísa também se mostrou crítica aos atos do ministro Sergio Moro em 2018, quando ainda era juiz federal responsável pelo processo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Não existe nenhuma justificativa jurídica para um juiz de primeira instância (Moro) mandar um “ofício” para a polícia determinando aos policiais federais o descumprimento de decisão judicial proferida por desembargador. É inimaginável, num estado democrático de direito, que a Polícia Federal e o Ministério da Justiça sejam instados por um juiz ao descumprimento de decisão de um tribunal”, afirmou ao portal Nexo, em julho de 2018.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com