Cidadã de Pernambuco: Poder Legislativo reverencia cantora Alcione

“Esta homenagem só vai confirmar uma coisa que eu já sei que sou: uma cidadã pernambucana”, declarou a Marrom, em Reunião Solene no Plenário da Assembleia, proposta pelo presidente Eriberto Medeiros

Publicado por: em 4 de novembro de 2019 - 9:39

Ver Perfil

Alepe

Foto: Breno Laprovitera

“Esta homenagem só vai confirmar uma coisa que eu já sei que sou: uma cidadã pernambucana.” Foi assim que a cantora Alcione recebeu o Título de Cidadã de Pernambuco, concedido a ela na noite desta quinta (31), em Reunião Solene realizada no Plenário da Assembleia Legislativa. A homenagem foi proposta pelo presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PP), que comandou a cerimônia. Para o parlamentar, fã da Marrom (como é conhecida), ela é “uma das melhores e mais autênticas intérpretes do País”.

Alcione Dias Nazareth nasceu em São Luís do Maranhão, no dia 21 de novembro de 1947. Começou a carreira musical já aos 12 anos, graças ao seu pai, que era policial e integrante da banda da corporação. “Meu pai aprendeu a tocar trompete andando 12 quilômetros por dia para ir até a casa do professor. Ele se tornou mestre da Banda da Polícia Militar do Maranhão, era o cara que mais sabia música naquele Estado”, relembrou a cantora.

Em 1968, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde sua trajetória começou a ganhar projeção e ela fez as primeiras gravações, em 1972. O primeiro álbum, A Voz do Samba, de 1975, popularizou a clássica canção “Não Deixe o Samba Morrer”. Na carreira de Alcione, destacam-se sucessos como “Sufoco”, “Gostoso Veneno”, “Menino sem Juízo”, “Você me Vira a Cabeça” e “Meu Ébano”.

“Já faz quase cinco décadas que, com sua voz potente, sorriso largo e muito samba de qualidade, a Marrom tem conquistado o público por onde passa. Em Pernambuco, sua influência é sentida nos sambistas da cidade e em todas as nossas escolas de samba”, observou, em discurso, o presidente da Alepe. “Mesmo com toda essa bagagem e reconhecimento, Alcione nunca negou ou esqueceu suas origens. Sempre fez questão de dizer que é de São Luís, do Maranhão, e nordestina com muito orgulho”, ressaltou Medeiros. O carinho pelas origens nordestinas foi confirmado pela cantora. “Eu tenho orgulho nesta vida de três coisas: de ser mulher, ser negra e ser nordestina. Se falarem de qualquer uma dessas três, me tiram do sério”, declarou Alcione, em entrevista coletiva antes da Reunião Solene.

 

Na cerimônia, um dos momentos que emocionaram a cantora foi a lembrança de Edson Cavalcante Queiroz, representado pelo seu filho, o instrumentista Rafael Queiroz, um dos artistas que cantaram para Alcione durante o evento. Edson Queiroz era médico e médium, e se destacava pela prática de cirurgias espirituais atribuídas ao espírito do Dr. Fritz, que tratou de um edema nas cordas vocais da artista.

“Eu tinha um edema do tamanho de uma cabeça de alfinete, e um médico tinha me dado apenas mais um ano para continuar cantando. Depois do tratamento espiritual com Edson Queiroz, tive mais 18 discos de ouro na minha carreira”, relatou Alcione. Eleito para um mandato de deputado estadual na Alepe em 1990, o médico Edson Queiroz não chegou a completar oito meses na Casa, pois foi assassinado em outubro de 1991. “Fico muito feliz de saber que Alcione nunca deixa de falar do benefício que teve, através de Deus e do Dr. Fritz. A espiritualidade me deu, agora, a oportunidade de conhecê-la e tocar para ela”, afirmou o músico Rafael.

Outras homenagens foram feitas a Alcione na cerimônia, com apresentações do poeta Toinho Mendes, dos cantores Telmo Santiago, Andreia Luiza e do sargento Cordeiro, da Banda de Música da Polícia Militar de Pernambuco. Os hinos do Brasil e de Pernambuco foram executados pela Banda da PM – o que, segundo a cantora, recordou-lhe a herança musical que teve do seu pai.

A Marrom relembrou também artistas pernambucanos já falecidos, como Luiz Gonzaga e Reginaldo Rossi. “Tive a honra de conhecer Gonzagão pessoalmente e sempre era lembrada por Reginaldo Rossi”, registrou. Em outro momento da Reunião Solene, foi exibido um vídeo com depoimentos dos artistas Maciel Melo, Anastácia, Nando Cordel, Ayrton Montarroyos, Lenine e Fabiana Karla parabenizando a cantora.

Além do Título de Cidadã de Pernambuco, Alcione já recebeu outras homenagens oficiais, como a Ordem do Rio Branco (a mais alta comenda do Brasil); as Medalhas Pedro Ernesto e Tiradentes (concedidas pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro); Medalha do Mérito Timbiras (a maior comenda do Estado do Maranhão); Medalha Daniel De La Touche (entregue pela Câmara Municipal de São Luís); e a Medalha Luiz Gonzaga (da Câmara Municipal de São Paulo).

“Mas, ganhar esta homenagem de um Estado tão exigente com sua cultura é a glória. Tenho só a agradecer por tudo o que tive nestes 47 anos de carreira”, enfatizou a cantora, ao fim da solenidade. O diploma foi entregue a Alcione por Eriberto Medeiros, que, na ocasião, chamou todos os deputados presentes para acompanhar o momento. Entre as autoridades, estava a vice-governadora Luciana Santos, representando o governador Paulo Câmara.

Fonte: Alepe

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com