Em Pernambuco, Ricardo Salles diz que “não vai gastar um minuto com polêmica”

Ministro afirmou que o governo federal não vai gastar tempo para polemizar ou politizar a questão

Publicado por: em 22 de outubro de 2019 - 9:56

Ver Perfil

Foco

Foto: José Cruz/Agência Brasil

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, em visita não programada ao litoral sul de Pernambuco nesta terça-feira (22), voltou a dizer que o óleo que atingiu 201 praias nordestinas nos nove estados da região é venezuelano.

“Nosso trabalho é técnico, nosso trabalho é de dedicação, remoção e identificação do óleo desde o início da crise que afeta todo o Nordeste. Nós não gastamos nem um minuto em polemizar ou politizar esse assunto”, afirmou.

Salles desceu de helicóptero na praia de Itapuama, litoral sul do estado onde se intensificaram a chegada do óleo nesta segunda-feira (21). A visita durou aproximadamente dez minutos. Ele destacou o trabalho de militares do Exército, da Marinha e de servidores do Ibama, ICMBio, de prefeituras e voluntários.

Salles participa na manhã desta terça-feira (22) de uma reunião na Capitania dos Portos, no centro do Recife. Os ministros da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e o comandante da pasta do Desenvolvimento Regional do Brasil, Gustavo Canuto, também devem chegar a Pernambuco.

Improviso

Durante visita do ministro da Justiça, Sérgio Moro, nesta segunda-feira (21), o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, disse que o governo federal trata no improviso a questão do óleo que afeta a costa nordestina.

“É o maior acidente ambiental da história do Brasil e não pode ser e não pode ser tratado, depois de 50 dias, da forma improvisada como a gente está vendo nos dias de hoje”, criticou, nesta segunda-feira, Paulo Câmara.

Ele disse esperar que, após determinação da Justiça Federal em Pernambuco, o governo Jair Bolsonaro ponha em funcionamento o Plano Nacional de Contingenciamento para Incidentes de Poluição por Óleo.

Desastre

No fim de semana, a mancha avançou e chegou as praias de Serrambi, Toquinho, Pontal de Maracaípe, Cupe, Muro Alto, em Ipojuca, e Itapuama e Suape, no Cabo de Santo Agostinho, acabaram afetadas pelo petróleo. O óleo invadiu o estuário de quatro rios pernambucanos e o manguezal de Suape. Nesta segunda-feira (21), a mancha chegou até a praia de Itapuama e do Paiva, também no Cabo de Santo Agostinho.

A grande preocupação agora é de que o material chegue à praia de Boa Viagem, no Recife. A prefeitura está mobilizada e planejou uma grande operação para retirada do material.

No último domingo (20), a Marinha informou que, até o momento, cerca de 900 toneladas do material tinham sido retiradas do litoral. Foram contaminados 2.250 km da costa litorânea nordestina. O dano pode prejudicar o trabalho de 144 mil pescadores e marisqueiros que sobrevivem do mar e dos rios.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com